Concurso Fernando Pessoa 2017: Edital

Participantes: alunos da 3ª série do Ensino Médio;

Gênero textual: livre, em prosa ou poesia (poema, conto, crônica, ensaio, diálogo, carta…). A única exigência é que o tema seja relacionado ao poeta e/ou seus heterônimos;

Limite de tamanho: até duas páginas;

ATENÇÃO: os textos NÃO devem ser identificados com o nome do aluno, apenas com seu login (número de matrícula) e devem ser enviados pelo e-mail do Band para palavrarte@colband.com.br;

Seleção: a comissão julgadora será formada pela equipe Palavrarte e outros professores de Português. Serão levados em conta os critérios:
• Coerência em relação ao tema;
• Articulação entre aspecto da poesia pessoana escolhido e estrutura;
• Originalidade;
• Expressividade;

Premiação: os três primeiros colocados serão premiados com livros do autor, no dia 06 de setembro (último dia de aulas do terceiro bimestre);

Data-limite para o envio dos textos: 14 de junho (último dia de aulas do segundo bimestre)

Todos os textos selecionados serão publicados no blog.

Esperamos seu texto!
fernando-pessoa

A primeira viagem

Para mim, não existe expressão mais certeira do que aquela que diz “mãe de primeira viagem”. Mas engana-se quem imagina aquela viagem com roteiros predefinidos em que sabemos exatamente o que nos ocorrerá em cada momento da trajetória e que culmina no estado mais profundo de êxtase.
A felicidade materna é uma conquista num percurso de viagem, que às vezes nem passou pela cabeça do viajante fazer. Nos deparamos com um lugar desconhecido em que se fala outra língua. Para alguns, a adaptação é fácil, para outros, é mais difícil. Depende do quão desconhecida e diferente é essa realidade nova e do quanto estamos dispostos a mudar.
Mas é certo que todos nos transformamos nessa viagem. Ela muda, para sempre, nossa visão sobre o que é descanso, sono, lazer, até mesmo banho e alimentação, mas principalmente sobre o que é ser feliz. De repente, um simples passo daquela criaturinha ou uma palavra banal pronunciada de forma inesperada geram tanto ou mais euforia do que a mais deslumbrante das paisagens.
Nessa jornada, como um viajante perdido na selva, procuramos nossa bússola, mas ela não existe no mundo concreto. O caminho é guiado pelo coração, que, por melhores que sejam as intenções, nem sempre acerta. Buscamos respostas no passado, “será que eu também era um bebê que acordava muito à noite?”, e, com elas, refazemos nossa identidade. E ao ver aquele serzinho nos imitando, refletimos sobre quem somos e quem queremos ser dali em diante.
A maternidade é uma das viagens mais transformadoras que existe! E não importa quantos filhos se têm, é sempre uma experiência excepcional. Aproveito, então, para desejar a todas as mães de primeira, segunda, terceira ou mais viagens uma linda trajetória!

Grasiela, professora de Português

Vagueando

Vi um sol,
Que foi embora.
Vi uma lua,
Que foi encoberta pela nuvem escura.
Via a escuridão.
Vi meus irmãos,
Que no sol,
Andaram vagueando
Em busca de pão,
Na escuridão,
Andam vagueando
Em busca de um lugar, no chão,
Onde passarão a noite,
Sem sonhos, sem emoção,
Apenas esperando, o sol,
Para outra vez vaguearem,
Em busca de pão.

França, inspetor