A hipóteses da descendência de Narciso

Muito se fala no mito de Narciso. Na narrativa mítica, esse belo jovem se afoga em um lago em uma tentativa impossível de alcançar a sua imagem refletida na água. O homo sapiens, principalmente na contemporaneidade, aparenta trilhar o mesmo caminho de Narciso, induzindo à elaboração de duas questões: poderiam os humanos ser descendentes de Narciso e conseguirão eles chegar ao seu nível de auto-idolatria?

Uma analogia pode ser feita entre Narciso e os seres humanos: ao passo que Narciso admira a sua imagem refletida na água, os homens contemplam suas imagens refletidas na sociedade. Essa última reflexão pode ser também chamada de “julgamento público” e é baseada em padrões estabelecidos pela sociedade, como preconceitos. Tal diferença no agente refletor é o suficiente para tornar o amor próprio em desprezo próprio, o que acontece porque a adequação do caráter e corpo de um indivíduo ao que é considerado ideal nem sempre é possível, ou frustra seus desejos pessoais e lhe provoca a insanidade. É possível concluir, portanto, que o gene da auto-idolatria de Narciso teve seu fenótipo alterado pelo meio (e ironicamente para o oposto).

Sendo a auto-idolatria substituída pelo desprezo próprio, o homo sapiens inicia sua renovação: a reconstrução de seu corpo e de sua personalidade. O convencional para os homens jovens é usar anabolizantes e adquirir tatuagens, enquanto para as mulheres é a aplicação e silicone para aumentar o seio, a lipoaspiração e o intenso uso diário de maquiagem. Nota-se que todas as mudanças visam a intensificar (Obs.: visam, nesse caso, é VTI e exige preposição) as características sexuais secundárias, pois contentar-se com a dose hormonal natural de seu próprio organismo é um “luxo”. Há também um terceiro tipo: os hipócritas. Esses são aqueles que procuram se afastar o máximo possível dos padrões estabelecidos, supostamente uma forma de mostrar que a opinião pública lhes é desprezível, e, então, saem à rua ansiosos pela reação do público.

Narciso chora em seu túmulo aquático. Chora pelos humanos, seus descendentes, que possuem a capacidade de converter todo o amor, inclusive aquele a si mesmos, em ódio. Nunca um parente lhe pareceu tão distante.

Adriano Nishinari, 3B1