Poesia Biológica

Ovo, Lagarta, pupa, borboleta.
Zigoto, criança, jovem, Adulto.
Final do 3°ano, hora de abrir as asas,
Voar e encantar o mundo com as cores de vocês.
As crises, despedidas e lágrimas
Chaves que abrem os casulos do conhecido, do confortável
E nos dão asas para explorar
O desconhecido e o NOVO…
Confiem nas asas que construíram
Elas ainda vão crescer, e muito
A felicidade nasce desse crescer.
Boa viagem!!!!!

Flávio, prof. de Física

Para os alunos e alunas do 3º ano. Inspirado na Biologia, eu, Professor de Física (Exatas) do 3° de Humanas, pude expressar neste poema a felicidade de ver o crescimento de vocês.

O professor no passar do tempo

Com o passar dos anos, coisas, pessoas ou profissões ganham ou perdem muito da sua notabilidade. Muito embora algumas dessas profissões possuam importância vital para a composição de uma boa sociedade, o comportamento dessa mesma sociedade faz com que, aos olhos de uma grande maioria, certas profissões pareçam ter mais brilho ou reconhecimento do que outras.

Vejamos a área entretenimento. Há muitos séculos o profissional dessa área tinha que fazer peripécias para agradar reis, rainhas e imperadores, tendo como pagamento apenas refeições ou algumas míseras moedas; hoje os profissionais dessa área são algumas das maiores fortunas do mundo e têm uma projeção social digna de admiração e inveja.

Temos também o caso do professor, aquele que acompanha o desenvolvimento das crianças e dos jovens e tem como profissão ensinar, orientá-los, para que essas crianças e jovens tenham uma boa formação social e profissional.

O professor tem que ter um conhecimento profundo do que ele ensina para que possa passar seus conhecimentos de maneira convicta aos seus aprendizados, e de maneira nenhuma se pode associar a figura de um professor a farras e balbúrdias noturnas, ações tão comuns para profissionais de outras áreas, em que parecem resplandecer.

Cria-se então, um mito da figura do professor: o mestre, aquele que sabe, a fonte de conhecimentos para abrir portar e transpassar barreiras.

A importância do professor na época do império era tanta que se equivalia social e financeiramente a um ministro, pois era o professor que ensinava, dava cultura e saber aos filhos do imperador, aos futuros imperadores.

Os tempos foram passando e muitas mudanças acontecendo, mas a figura e a importância do professor continuava com grande conceito e, no século passado, o professor tinha um grau social e remuneração financeira iguais à de um juiz.

O século XX foi um tempo conturbado, marcado por muitos conflitos bélicos, em que surgiram vários destaques de nações e heróis de combates em guerras, mas no início dele o professor ainda tinha o seu apogeu de importância e reconhecimento social; tinha os seus vencimentos financeiros iguais aos de um coronel.

Hoje, qual a importância de um professor? Não é possível ter escola sem aluno, mas muito menos sem professor. Qual a importância que governo e sociedade dão para o atual professor? Hoje a maioria dos professores da rede pública, que são os estabelecimentos a que a grande população tem acesso, ganha menos que a metade do salário de um soldado. Parabéns aos bobos da corte (hoje atores e comediantes) que fizeram ser reconhecida a importância da profissão, e hoje são milionários. Nada contra o salário do soldado que ainda ganha muito pouco, mas, se não houver uma mudança radical no tratamento direcionado aos profissionais do ensino, essa profissão vai cada vez mais sentir a falência de quantidade e, principalmente, qualidade de seus praticantes; e o mau ensinamento, logicamente, causará um mau aprendizado, e um povo sem instrução é um povo sem rumo e em qualquer seguimento da vida, quando não se tem direção clara a seguir, a possibilidade de seguir o caminho do mal é sempre maior.

Inspetor França